Ajude a salvar os tubarões de La Reunión: assine a petição

Comentário por Erwin Vermeulen

Foram 80 ataques de tubarões em todo o mundo em 2012, dos quais 7 foram fatais. Foto: Wiki Commons

O prefeito francês da ilha La Reunión anunciou que planeja matar 94 tubarões-tigre e tubarões-touro, em uma resposta extrema às cinco mortes por ataque de tubarão que ocorreram desde 2011. No mês passado, uma menina de 15 anos morreu depois de ser atacada enquanto mergulhava e, em maio, um surfista de 36 anos morreu depois de um ataque.

Foram 80 ataques de tubarões em todo o mundo em 2012, dos quais 7 foram fatais. Muito mais pessoas simplesmente se afogam praticando algum tipo de esporte na água, e todos nós sabemos as comparações que torradeiras e máquinas de venda automática matam mais pessoas por ano do que tubarões, para não mencionar o número de pessoas mortas por carros ou armas.

Mas esses “brinquedos” são parte do nosso estilo de vida altamente urbanizado, pós-industrial  e high-tech. Nos sentimos a vontade com eles e, às vezes, erroneamente, acreditamos que podemos controlá-los. Nós já não nos vemos como parte da natureza. Selvagem e selvageria são percebidos como adversários da civilização.

O fato é que os tubarões, crocodilos, ursos polares, tigres e leopardos matam pessoas. Alguns nos matam por engano, para os outros comer pessoas é uma maneira fácil de ganhar a vida. A ideia de um homem ser morto e comido por animais é preocupante para nós. Ela anula milhares de anos de progresso humano e nos empurra de volta ao papel de hominídeos vulneráveis ​​se escondendo em cavernas sem fogo. No cerrado, somos tão boa fonte de proteína como uma zebra ou uma gazela. Imagine-se de pé, nu, na grama alta e olhando para os animais ao seu redor. Falta-lhe o volume do hipopótamo ou do búfalo, as presas do elefante ou o chifre do rinoceronte para se defender. Você não tem a velocidade do antílope para fugir, e as árvores são poucas para você, um macaco bípede, para subir nelas.

O homem, um grande caçador? Onde estão suas presas e garras? Onde estão os seus músculos e onde está a sua velocidade? Ossos de Australopithecus robustus descobertos na África do Sul indicam que foram para leopardos a presa mais comum.

Em uma versão da evolução humana, nós fomos naturalmente selecionados por cérebros grandes, como se nossa inteligência fosse a única coisa que nos mantém vivos em um ambiente hostil em que éramos comida. Eventualmente, fomos de coletores a caçadores, e durante o período que deixamos nosso continente materno na África e nos espalhamos pelo planeta, grande parte da mega-fauna terrestre foi eliminada, enquanto passávamos. Nosso número colossal tem mantido as “coisas selvagens” à extinção ou em pequenos recantos, que hoje chamamos de reservas e parques nacionais.

Enquanto animais terrestres, tivemos muito mais dificuldade em dominar o ambiente marinho, mas por volta do século 18 quase eliminamos as grandes baleias mais lentas. Motores de vapor e mais tarde à diesel nos deram uma vantagem sobre as baleias velozes, e quase as levamos à extinção também. Estes mesmos motores combinados com a instalação de freezers a bordo nos deram a oportunidade de sair das águas costeiras e pescar cada vez mais longe, e cada vez em mares mais profundos, e fizemos o que foi pensado impossível: esvaziamos os oceanos da vida. A mega-fauna dos oceanos – cetáceos, peixes-boi, atum, peixes-de-bico e tubarões – foi apenas a última de uma longa linhagem de seres a sofrer o nosso apetite insaciável de ganância e expansão da população.

Hoje estamos matando de 40 a 100 milhões de tubarões a cada ano, dependendo de quais figuras você acredita. Muitos deles morrem para engrossar a sopa asiática insípida. Será que realmente temos que eliminá-los da face do planeta por maldade pura… porque eles matam 7 de nós a cada ano?

La Reunión é, aparentemente, uma estudante da escola japonesa de hipocrisia, pois tem classificada a matança planejada como “ciência”. No ano passado, La Réunion matou 24 tubarões, para verificar a presença de dinoflagelados, um plâncton marinho que produz ciguatera, uma doença de origem alimentar, por vezes fatal, causada pelo consumo de peixes contaminados. A nova caça às bruxas visa apenas as duas espécies de tubarões consideradas perigosas – touros e tigres – e terá lugar apenas nas áreas onde ataques a seres humanos tenham ocorrido. Além disso, a venda de tubarão para alimento já é ilegal em La Reunión, este abate é realmente apenas a vingança de linchamento sob o disfarce de ciência.

A ilha de La Reunión anunciou que planeja matar 94 tubarões-tigre e tubarões-touro, em uma resposta extrema às cinco mortes por ataque de tubarão que ocorreram desde 2011. Foto: Albert Kok / Wiki Commons

Mas a ciência de verdade deveria se concentrar no que as mudanças no ambiente, as mudanças nos tubarões e suas populações de presas, e as mudanças no comportamento humano poderiam ter levado a essa concentração de ataques de tubarão. É a influência da pesca excessiva? Ou áreas protegidas ou de piscicultura atraem tubarões?

Talvez lições possam ser aprendidas a partir dos muito melhor documentados homens comidos por leões na África. Os ataques de leão aumentaram quando as doenças, a drenagem de pântanos e áreas alagadas, ou o abate de grupos inteiros de animais esgotaram as suas presas.

Pode haver um paralelo nisso com a sobrepesca. Mas o mais importante fator de decisão, que é realmente acéfalo, é a disponibilidade de seres humanos. Primeiro foi o marfim e o comércio de escravos, que trouxe seres humanos abundantes para a região dos leões. Mais tarde, foi a construção de estradas e ferrovias que trouxeram uma quantidade abundante de presas para o território dos leões, em forma de mão-de-obra importada. A explosão demográfica que se seguiu, significou a invasão de habitats naturais, e, em seguida, a predação sobre o equilíbrio pelos seres humanos, com uma redução no número de leões e seu habitat.

Obviamente, existe uma situação semelhante no caso de tubarões. O maior contribuinte para o número de ataques que ocorrem a cada ano é a quantidade de seres humanos que se dirigem para as costas para passar o tempo na água. Um fator adicional importante é o superficial,o tenebroso surfe no qual a maioria das pessoas optam por gastar seu tempo praia adentro. Se você vai dar um mergulho no mar, você deve tomar precauções de segurança, mas também estar disposto a aceitar as conseqüências.

Tudo se resume a escolha pessoal. Se você salta de bungee jump de uma ponte com um pedaço de elástico amarrado em torno de seus tornozelos, será uma ocasião triste se você atingir o chão em um trágico acidente. Mas você é o culpado, você decidiu correr esse risco. Por que seria diferente se você decidir mergulhar no mar, a casa desses animais?

Mas, no caso de ataques de tubarão, o tubarão é culpado.

Este é um raciocínio muito estranho. Quando animais de um jardim zoológico ou de um circo fogem, eles costumam levar um tiro por entrar no reino humano, mas quando uma pessoa, por qualquer motivo, decide entrar em um recinto de animais e é atacada, o animal não é o culpado. O mesmo acontece quando um trabalhador de um zoológico ou de um circo ignora o protocolo de segurança e morre. Estupidez humana, ignorância, irresponsabilidade ou simplesmente má sorte, são boas explicações suficientes para o evento. O mais famoso desses animais de “circo” é, naturalmente, Tilikum, a orca escrava que matou três pessoas após suas vítimas entrarem em sua banheira no SeaWorld – o seu território.

Nós fazemos o mesmo quando saímos da relativa segurança da terra e entramos nas águas salgadas. Não é a nossa casa, é dos animais. Mas, no caso dos tubarões, estamos prontos para “abater”, que é simplesmente uma forma mais palatável de dizer “matar”.

La Reunión é um lugar de tubarão! É uma ilha tropical onde os tubarões são historicamente comuns. Então, se você colocar mais e mais pessoas nas águas, algo vai dar errado um dia. Isso não é uma razão para não dar um mergulho ou surfar. Você apenas tem que aceitar o risco.

Em 2012, Austrália Ocidental anunciou uma guerra semelhante aos tubarões, quando tubarões-brancos mataram cinco surfistas, mas os planos foram abortados depois de clamor público em todo o mundo. Vamos dar à França e à La Réunion a mesma mensagem, de que suas políticas são inaceitáveis!

Vamos manter La Réunion um lugar de tubarões. Por favor, assine e compartilhe a petição: http://www.change.org/petitions/stoppez-le-massacre-des-requins-cotiers-de-la-reunion-stop-the-shark-cull-in-la-reunion-island