Diário de Bordo:

Expedição Ondas Limpas na Estrada

LOG DA CAPITÃ: onde está o ônibus agora?

18 de Julho - Capitã Mara Oliveira:

Hoje foi nosso dia de folga das atividades de pesquisa e aproveitamos para colocar alguns trabalhos em dia: a cientista Vitória catalogou nosso estoque de camisetas e produtos, o fotógrafo Amorelli organizou as fotos de ontem e eu trabalhei pelo computador, atualizando o roteiro das atividades de pesquisa e providenciando a autorização para a nossa entrada no Parque Xixová Japuí em São Vicente. Acertamos a entrada do novo cozinheiro Felipe, que embarca no dia 07/08 em SP.

Antes da visita do próximo capitão, Caio Montemor, fizemos uma limpeza na nossa casa sobre rodas e preparamos um lanche delicioso: Caponata Ondas Limpas com Borrifos Bread.

17 de Julho - Capitã Mara Oliveira:

O primeiro campo do dia foi em Peruíbe, na Praia Central. Recebemos alguns curiosos na porta do ônibus, muito interessados no que fazíamos e quem éramos. Estacionamos o ônibus de frente para o mar, e ao longe era possível ver a Ilha da Queimada. Essa ilha é icônica por causa das serpentes muito peçonhentas e endêmicas que vivem lá. Com seu veneno muito potente, essas serpentes conseguem instantaneamente abater as aves que comem. Por ser pouco visitado, o local é ótimo para mergulho autônomo, sendo possível encontrar lindas raias. Mas infelizmente, é um lugar que sofre muito com a pesca predatória. 

No segundo campo do dia, fomos para Itanhaém, na Praia da Saudade. Essa praia foi especialmente selecionada pelo nosso coordenador técnico, Juan Pablo Torres-Florez, por causa do braço de rio que deságua no mar, com ocorrência intensa de fluxo de maré.

Ao final do dia alguns imprevistos surgiram e ao invés de irmos para São Vicente, fomos para Santos. Atrasamos um bocado para dormir, mas amanhã teremos folga para compensar.

16 de Julho - Capitã Mara Oliveira:

O campo na Praia do Araçá foi ótimo, apresentou as mesmas características do campo na Praia João Januário. Abastecemos o ônibus e seguimos viagem para Juréia, no caminho tivemos de aguardar a maré virar para poder entrar na balsa, mas chegamos com sucesso. 

Após alguns desafios para se instalar no camping, fizemos uma sessão de cinema ao cair da noite, assistimos “Sea of Shadows”. O filme foi muito impactante para a tripulação, conversamos bastante sobre a operação da Sea Shepherd no Mar de Cortez e o fotógrafo Amorelli compartilhou as experiências que teve a bordo do JPD.

 

15 de Julho - Capitã Mara Oliveira:

Hoje o campo foi na praia da Juréia, ocorreu tudo bem, e em seguida seguimos na estrada para pernoitar em Peruíbe. Também foi aniversário da voluntária e cientista Vitória, e claro, fizemos uma comemoração. A festa foi toda vegana, com bolo de chocolate, Borrifos Bread, doces e brigadeiro vegano. Feliz aniversário, Vitória!

14 de Julho - Capitã Mara Oliveira:

Após as 6 horas de viagem de Paranaguá até Ilha Comprida, chegamos com um desafio novo: extrema interferência de modificação da orla, bem de frente ao nosso camping. A orla estava repleta de lixo, entulho e pedras, colocados pela prefeitura para “conter” a maré que invadia a pista da orla. Já não havia restinga e as árvores da orla foram arrancadas pelo mar. Alguns moradores locais nos contaram que esta obra da prefeitura foi embargada pelo IBAMA. 

Informei ao cientista Lucas, do IOUSP, sobre a situação do local e ele nos indicou outro ponto de coleta de dados, com menos interferência antrópica, 10 km para frente daquele predeterminado.

 

13 de Julho - Capitã Mara Oliveira:

Chegamos em Paranaguá e passamos a noite em um hotel, uma ótima oportunidade para esticar as pernas e tomar um banho relaxante. Pela manhã nos despedimos da tripulante Monize Larios, que ficou conosco por 30 dias, e recebemos uma nova tripulante, a Vitória Oliveira, que fará parte da equipe de ciência.

Após a pesquisa de campo no centro de Paranaguá, abastecemos a despensa do ônibus, e seguimos para Ilha Comprida, uma viagem longa de 6 horas e com pouco sinal de internet.

12 de Julho - Capitã Mara Oliveira:

Após a nossa passagem pela Ilha do Mel, fazendo muita pesquisa, mutirão de limpeza e captação de imagens de lixo em áreas remotas, seguimos de volta ao continente, seguindo viagem. 

Visitamos a cooperativa AMCORESPP em Barra Velha para deixar 29 kg de resíduos coletados. Foi um momento de muito aprendizado para toda a tripulação, pudemos ver como o trabalho é feito, quantas famílias dependem da cooperativa, quais materiais são transformados e muito mais. Entrevistamos o tesoureiro da cooperativa, Felipe, e com ele descobrimos que alguns materiais são mais valiosos do que outros, por exemplo, as garrafas pet transparentes valem mais do que as coloridas. A prefeitura ajuda a cooperativa cedendo caminhões de coleta, esteiras,  prensas para coleta e triagem do material.

Dentro do ônibus, a cientista Monize fez uma linda arte em pintura na porta interna do ônibus, uma graciosa baleia jubarte no estilo tribal, em posição de saudação ao sol.

APOIO

Apoio: Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo
Apoio: Yattó Logística Reversa
Apoio: Unicoba
Apoio: Mobimax Solar

Junte-se a nós

Ajude-nos a proteger o oceano e a vida marinha!