campanha, Notícias, Salve Mar

AMBIENTALISTAS REVELAM UM OCEANO QUE IMPLORA POR AJUDA NAS PRAIAS DO NORDESTE

Com apoio do Estado de Pernambuco, Sea Shepherd Brasil e Movimento Salve Maracaípe têm acesso exclusivo às praias para um monitoramento científico sem precedentes que revela uma diversidade marinha em rápido desaparecimento.

MARACAÍPE, PERNAMBUCO – Os recifes de corais formam a maior estrutura viva animal do planeta, além de ser o mais importante ecossistema marinho. De cada quatro peixes, três dependem dos corais para sua sobrevivência.

O crescimento exacerbado do turismo nas costas brasileiras somado ao rápido aquecimento dos oceanos e desastres ecológicos, como o recente derramamento de óleo na costa brasileira no final de 2019 no Nordeste brasileiro têm atraído a atenção da ONG de conservação marinha Sea Shepherd Brasil, que se une ao Movimento Salve Maracaípe e juntas lançam a campanha Salve Mar para a investigação da saúde dos corais na costa Brasileira onde eles são mais conhecidos – e portanto mais ameaçados: nos arrecifes de Porto de Galinhas, em Pernambuco.

Os recifes de corais contribuem para três metas de alta prioridade dos países em desenvolvimento: a geração de renda, criação de empregos e ganhos em moeda estrangeira. Segundo Spalding et al., (2017), o turismo em recifes de coral gera US$ 36 bilhões em valor global a cada ano. No litoral sul do Estado de Pernambuco, o grande atrativo do turismo são as piscinas naturais formadas pelos recifes de coral e toda a sua biodiversidade. Apenas em Porto de Galinhas, Ipojuca, circulam por ano cerca de 1,6 milhão de turistas.

Com monitoramentos desde Novembro de 2019, esta campanha tem identificado um preocupante e alarmante crescimento no branqueamento dos recifes do local – um crescimento que indica ser comparável ao que é visto na famosa Grande Barreira de Corais na costa leste da Austrália – mas que está longe de alcançar a mesma atenção da mídia.

Com a atual quarentena e praias fechadas para o turismo, este grupo de ativistas e pesquisadores receberam a permissão sem precedentes do município de Ipojuca, e do Governo do Estado de Pernambuco de seguir com o monitoramento dos corais que vem sido feito, e finalmente conseguir isolar o impacto direto do turismo local das ameaças ambientais globais no avanço do branqueamento de corais da região

POR QUE O BRANQUEAMENTO DE CORAIS É RUIM?

Os corais são considerados animais marinhos, e possuem uma grande sensibilidade para alterações, mesmo que sutis, na água onde habitam. O branqueamento dos corais dá-se quando os pólipos responsáveis pela construção dos recifes de coral morrem, e os corais tornam-se translúcidos, sendo possível verificar o esqueleto de carbonato de cálcio desses animais. Isso acontece em razão da expulsão das algas zooxantelas ou por causa da perda do pigmento dessas algas, que vivem em associação mutualística com o coral. Este é um problema ecológico grave, relacionado à acidificação oceânica (mudança na temperatura média e do pH dos oceanos, causada pelo aquecimento global) e ações antrópicas como pisoteio, pesca predatória, poluição, sedimentação, entre outros fatores.

Esse problema pode ocorrer de forma transitória, ou de forma fatal, matando o coral e todo o ecossistema ao seu redor que depende dele para a sobrevivência. Peixes, lagostas, cavalos marinhos, esponjas do mar, tartarugas marinhas são apenas algumas das milhares de criaturas que dependem dos recifes de corais para sobreviver.

Como resultado da campanha Salve Mar, a Sea Shepherd Brasil e o Movimento Salve Maracaípe têm como ambição criar um plano de conservação e recuperação dos recifes de corais da região de Porto de Galinhas em preparo ao retorno do turismo na região, visando ações de educação e treinamento ambiental, recomendação de estruturação e isolamento de áreas de risco para as visitas turísticas ao local e principalmente ações de conscientização e preservação para os turistas e locais da região.

Mais sobre a campanha Salve Mar

A Sea Shepherd Brasil e o Movimento Salve Maracaípe vem trabalhando juntos na proteção do ecossistema de corais na região do Nordeste desde o terrível vazamento de petróleo cru que afetou o Nordeste brasileiro. Desde então, eles vem monitorando os recifes de corais de Pernambuco com objetivo de avaliar a saúde dos corais e proporcionar a sua recuperação e expansão.

Doe para ajudar A Sea Shepherd proteger os corais.

Com a campanha Salve Mar, o objetivo geral consiste em avaliar a saúde dos corais,
proporcionar a sua recuperação e expansão. Como objetivos específicos, a ambição desta campanha é de:

  1. Mapear e monitorar do branqueamento dos corais;
  2. Avaliar do impacto do pisoteio na bancada de corais;
  3. Planejar e propor alternativas sustentáveis para o uso turístico dos corais;
  4. Recuperar e cultivar novas colônias de corais;
  5. Investigar a presença de fragmentos de petróleo no ambiente recifal.

Mais sobre a Sea Shepherd Brasil

A Sea Shepherd é uma organização internacional sem fins lucrativos de conservação da vida marinha. Fundada em 1977, pelo Capitão e ambientalista Paul Watson, a missão da Sea Shepherd é defender, conservar e proteger a vida marinha e ecossistemas marinhos.

Com campanhas no mundo todo, defendendo desde as baleias no Santuário de Baleias da Antártica contra caça ilegal até tubarões em Galápagos, a Sea Shepherd usa táticas inovadoras e não violentas de ação direta para investigar, documentar e agir quando necessário e para expor e confrontar atividades ilegais nos oceanos. Salvaguardando a biodiversidade de nossos delicados ecossistemas marinhos, a Sea Shepherd trabalha para garantir a sobrevivência dos oceanos para as futuras gerações.

No Brasil, a Sea Shepherd atua para preservação de sistemas costeiros e marinhos com a Operação Ondas Limpas, de remoção do lixo marinho de praias e rios e de educação e conscientização da população sobre consumo e descarte responsável. A Sea Shepherd Brasil também atua em escolas educando jovens sobre preservação dos oceanos.

A Sea Shepherd é conhecida por ter a maior frota de navios não governamentais de preservação ambiental, e trabalha com governos para auxiliar na fiscalização de leis de conservação existentes e proteger espécies e ecossistemas ameaçados, como no caso da vaquita marinha do México.Desde os gentis gigantes do mar até as menores criaturas, a missão da Sea Shepherd é proteger todas as espécies de vida marinha que vivem em nossos oceanos. Nossas campanhas têm defendido baleias, golfinhos, focas, tubarões, pinguins, tartarugas, peixes, krill e aves aquáticas da caça furtiva, pesca insustentável, destruição de habitat e cativeiro explorador.

Mais sobre o Movimento Salve Maracaípe

Diante da realidade advinda das intervenções humanas ocorridas em Porto de Galinhas e Maracaípe, tanto por contato direto do turismo local, mas também devido a mudanças climáticas e desastres ecológicos, como o derramamento de óleo de 2019, o Movimento Salve Maracaípe nasceu como consequência do sentimento de preservação, global, de coletividade, social, ecológico, espiritual e de amor ao meio ambiente de sua comunidade.

O Movimento Salve Maracaípe tem como objetivo é promover o debate para impedir e reduzir a degradação ambiental na região  de Porto de Galinhas – Maracaípe, e ao mesmo tempo garantir que o local e seu importante ecossistema costeiro seja utilizado de forma sustentável.

Doe para ajudar A Sea Shepherd proteger os corais.