Projeto EducaMar em aÇão no programa Barra Ambiental 104.9 FM

 

Por: Rodrigo Marques, coordenador do Núcleo RS

Fotos: ISSB

O projeto EducaMar em aÇão do ISSB está desde o dia 6 de janeiro na Península de Maraú, na Bahia, desenvolvendo atividades de educação ambiental com as crianças locais. Em uma dessas atividades, a Sea Shepherd foi convidada a participar de um programa de rádio que é voltado exclusivamente às questões ambientais da cidade. O programa Barra Ambiental 104.9 FM é apresentado pela educadora ambiental do projeto Aquerê Ambiental, Manuelita Stucchi e alerta sobre a questão dos resíduos descartados indevidamente, a pesca predatória, entre outras atividades nocivas ao ambiente marinho. A Sea Shepherd aproveitou o espaço para divulgar o projeto que está sendo desenvolvido na região e também falou sobre as ações da Instituição, no Brasil e no mundo.

Imagem divulgação do projeto EducaMar em aÇão

Apresentadora Manuelita Stucchi

Entre as perguntas estava a ligação entre a Sea Shepherd e a Escola de Mergulho 13 Sul, com sede na Península e, foi explanado, que a Sea Shepherd possui este vínculo com a Escola devido a “pegada ambiental” de todos os funcionários do estabelecimento tornando assim a escola uma Embaixada da Instituição na Bahia. Como exemplo dessa característica da escola podemos citar as palavras de Adriano que é mergulhador, mestre de embarcação e morador da Ilha de Contrato, ilha próxima a Península de Maraú, ressalta “que a ligação entre a Sea Shepherd e a escola de mergulho é devido as mesmas ideologias e a vontade de preservar as espécies marinhas que são a principal atração do mergulho. Acho muito importante essa ação da Sea Shepherd na questão dos tubarões, pois tenho muita vontade de continuar mergulhando e poder ver esses animais nadando livres e sem a interferência dos humanos.”

Durante o programa, o ISSB pôde destacar as principais ameaças que o ecossistema marinho enfrenta nos dias atuais e suas possíveis consequências.  A pesca predatória, o descarte indevido de resíduos na praia, a caça de baleias na Antártica, a matança de golfinhos em Taiji, no Japão, que alimenta os parques aquáticos do mundo, estavam entre os assuntos abordados e a posição da Sea Shepherd foi colocada em cada uma destas questões.

Educadora ambiental Manuelita e Rodrigo do ISSB

ISSB PARTICIPA DE PROJETO SOCIAL NA PENÍNSULA DE MARAÚ (BA)

Por Rodrigo Marques, Coordenador Regional do Núcleo RS do ISSB

O ISSB recebeu um convite para participar de uma atividade desenvolvida pelo Centro Cultural da Península de Maraú (BA) e organizado pela educadora ambiental Manu Stucchi. O projeto tem como objetivo envolver crianças locais nas questões ambientais da região. Cada uma delas confeccionou uma placa informativa (vidro, plástico, papel, etc.) utilizando material reciclado para ser usada nas lixeiras da cidade. Além de identificar o tipo de resíduo, as placas continham o nome e a idade de cada criança.

Criação das placas. Foto: Rodrigo Marques

Placas concluídas. Foto: Rodrigo Marques

Fixação das placas nas lixeiras. Foto: 13 Sul

Durante o dia as crianças participaram de atividades lúdicas e de muita conscientização ambiental. Uma limpeza de praia foi realizada e os resíduos coletados foram separados para posteriormente serem usados na montagem de uma baleia jubarte, em frente à embaixada da Sea Shepherd, na Escola de Mergulho 13 Sul, na Bahia.

Educadora ambiental Manu e o aluno Rodrigo com os resíduos coletados. Foto: Rodrigo Marques

Embaixada da Sea Shepherd na Bahia. Foto: Rodrigo Marques

“O ISSB já estava na Península desenvolvendo o projeto EducaMar em Ação e foi uma enorme satisfação poder unir forças com um grupo engajado nas questões ambientais. Além da montagem da baleia a partir dos resíduos, a Sea Shepherd está certificando as crianças através de um treinamento de Guardiões Mirins”, afirma Rodrigo Marques, Coordenador Regional do Núcleo RS (ISSB).

Segundo Nadja, integrante da equipe da escola de mergulho 13 Sul, “o projeto tem seu valor e importância dentro da comunidade de Barra Grande, pelo fato de ter envolvido as crianças e ter passado a mensagem da quantidade de lixo que se encontra na praia”. O projeto EducaMar em Ação do ISSB será desenvolvido até o dia 20 de janeiro, na Península de Maraú.

Desidratado, lobo-marinho encontrado na praia do Hermenegildo morre à espera de atendimento

Fêmea de um ano de idade foi encontrada debilitada no balneário, no sul do Estado

Mamífero estava subnutrido e teve os primeiros cuidados prestados por um biólogo do Instituto Sea Sheperd; na fotografia, ele ainda estava vivo. Foto: Instituto Sea Sheperd Brasil

Um lobo-marinho encontrado na noite de terça-feira na areia do balneário Hermenegildo, em Santa Vitória do Palmar, zona sul do Estado, morreu na noite desta quarta, à espera de atendimento. Sem ferimentos externos, mas desidratado e magro, o animal foi localizado na beira da praia por um biólogo, que o resgatou e prestou cuidados básicos. O mamífero, porém, não resistiu.

Diretor geral do Instituto Sea Sheperd Brasil, o biólogo Wendell Escol disse que o lobo marinho – uma fêmea juvenil, de aproximadamente um ano e pesando cerca de dez quilos – estava sendo perturbado pela população local.

– Tocavam no animal, tiravam fotos, tentavam empurrá-lo em direção ao mar e jogavam baldes d’água em cima dele, quando tudo o que ele queria era descansar – afirma.

Escol resgatou o mamífero e levou para sua casa, oferecendo hidratação, ambiente climaticamente ameno e tanque para banho. Mas havia a necessidade de tratamento especializado, como sonda gástrica para alimentação – procedimento que ele não tinha condições técnicas de realizar.

À tarde, Batalhão Ambiental de Rio Grande e o Centro de Reabilitação de Animais Marinhos (Cram), vinculado à Universidade Federal do Rio Grande (Furg), foram acionados. O resgate havia ficado agendado para a manhã desta quinta-feira.

– Não tinha como irmos antes. Como o bicho já estava enfraquecido, provavelmente morreria no caminho, devido ao sol forte. E a nossa viatura é antiga, insegura para viajar à noite – disse o tenente Eliseu Foscarini.

O Cram lamentou a morte do lobo-marinho e destacou que, para se efetuar um resgate que está distante – entre Rio Grande e a praia do Hermenegildo, por exemplo, são mais de 200 quilômetros – é preciso planejamento.

– O transporte é um fator de muito estresse para os animais marinhos. É preciso pensá-lo com cuidado. Para utilizar as viaturas do Cram, que são manobradas por motoristas da Furg, é preciso conciliar horários. Marcamos com a polícia ambiental para a primeira hora da manhã de hoje (quinta-feira), mas infelizmente, antes disso, o animal morreu.

Link para a matéria aqui

ATUALIZAÇÃO DA OPERAÇÃO RELENTLESS

Tradução: Igor Ramos, voluntário do ISSB

Bob Barker se choca com uma grande onda no oceano antártico. Foto: Marianna Baldo

Na manhã do dia 8 de janeiro, a Sea Shepherd confirmou que perdeu contato visual com o navio fábrica da frota pesqueira japonesa, o navio Nisshin Maru. No momento do incidente, o navio já estava fora da zona de caça por eles designada.

A Sea Shepherd estima que, neste momento, na atual localização, levariam dois dias para que os arpoadores retornassem para a área de caça.

No dia 14 de janeiro, o ministro do meio ambiente australiano, Greg Hunt, confirmou que dois dias antes, a frota japonesa estava além das 1000 milhas náuticas afastadas da zona de pesquisa e resgate australiana, fora de águas australianas. Essas informações colocam a frota japonesa a extremo leste da sua autodesignada zona de caça.

Baseada nessas informações, a Sea Shepherd pode confirmar que nenhum baleeiro irá retornar para a zona de caça tão cedo, mas sim, seguir rumo a leste para tentar evitar os voos de monitoração realizados pelo governo australiano.

Por sorte das baleias, existe uma intensa zona de baixa pressão na dependência de Ross. O mar está agitado, o céu está cinza e a visibilidade está reduzida a apenas 100 metros.  Sob essas circunstâncias a caça se torna extremamente difícil, se não impossível.

Sam Simon durante o intenso nevoeiro. Foto: Eliza Muirhead

Considerando esses fatores, é muito provável que as operações japonesas tenham sido suspensas desde a primeira intervenção da Sea Shepherd em 5 de janeiro. A frota da Sea Shepherd continua esperando e protegendo o Santuário de Baleias do Oceano Antártico.

Notícia na íntegra clique aqui

GRUPO DE APOIO DO ESPÍRITO SANTO (ISSB) REALIZA FESTA

Por: Thiago Barrack Lavander, coordenador do Grupo de Apoio do Espírito Santo (ISSB)

O Grupo de Apoio do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil organizou uma festa para divulgar o trabalho da ONG. A comemoração, chamada Red Room Party, ocorreu na casa Fuel Station, localizado no triângulo das bermudas, centro da “boemia capixaba”, e contou com a participação de mais de cinco artistas diferentes, tocando um estilo musical chamado Trap Music. Gênero que se originou no início de 2000 a partir do hip hop, no Sul dos Estados Unidos. O sucesso foi tão grande que a casa atingiu a lotação máxima.

Foto: Naio Rezende

Foto: Naio Rezende.

“O resultado da festa foi bastante positivo para o Grupo de Apoio do Espírito Santo. Conseguimos atrair algumas pessoas interessadas em ajudar. Através da festa foram colhidas algumas parcerias importantes”, destacou Thiago Barrack Lavander, coordenador do Grupo de Apoio do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil. Agradecimentos ao organizador da festa, fotógrafo profissional e simpatizante da ONG, Naio Rezende.