Home » Editorial

Pesca de krill, o próximo colapso?

16 abril 2013

Comentário por Erwin Vermeulen

Um pinguim-Gentoo alimenta seu filhote com krill. Foto: Erwin Vermeulen / Sea Shepherd

As chaminés industriais chegaram à Península Antártica. A área, famosa por suas paisagens cênicas e pela abundante vida selvagem Polar do Sul tornou-se o alvo para os navios-fábrica e traineiras da pesca crescente de krill.

A pesca na Antártida é regulada pela Convenção sobre a Conservação dos Recursos Vivos Marinhos Antárticos (CCAMLR). Os objetivos da pesca são as marlongas da Antártida e da Patagônia, o icefish Mackerel e o krill antártico. A área da convenção abrange todo o Oceano Antártico ao sul da Convergência Antártica, cerca de 10% da superfície da Terra, o que faz com que seja um pouco maior do que o santuário de baleias e a área do Tratado da Antártida de 1959, 60 graus ao sul.

Muitas pessoas pensam no krill como criaturas microscópicas, mas na verdade, cada indivíduo pode crescer até 5 cm de comprimento e viver até 7 anos. Eles formam o zooplâncton. Em um oceano com relativamente poucos peixes, que ocupam o nicho que cardumes de peixes preenchem em outros oceanos, como uma espécie-chave. Eles se alimentam de fitoplânctons, ricos em nutrientes, que florescem das águas profundas na Convergência Antártica durante as 24 horas de luz solar do verão austral. O krill é considerado a maior biomassa no planeta, superando a população humana do mundo.

Em 17 de março de 2013, foi encontrado o navio de pesca marítima de krill antártico, como pode ser visto nas fotos anexas, soltando enormes plumas brancas no ar puro da Antártida, na posição de 63 44.7S 060-18.6O, onde os estreitos de Gilbert e Orleans encontram o leste da Ilha de Trindade. O navio reformado de 134 metros e 9.432 toneladas, anteriormente denominado Thorshovdi e ainda licenciado sob esse nome, é de propriedade da empresa norueguesa Aker BioMarine. A última vez que eu vi um navio-fábrica deste tamanho nas águas antárticas foi a bordo do SSS Steve Irwin, perseguindo o navio-fábrica caçador de baleias japonês, Nisshin Maru, para fora do Santuário de Baleias do Oceano Antártico.

Perto dali, na posição de 63 43.2S 061-15.6O, o Kai Xin estava pescando. A traineira de 104 metros e 4.407 toneladas, de propriedade da Shanghai Kaichuang Deep Sea Pescas Co. Ltd., estava pescando o mesmo ouro rosa: krill.

O navio-fábrica de pesca e processamento de krill da BioMarine. Foto: Erwin Vermeulen / Sea Shepherd

Um pouco mais longe, o navio Adventure, da República da Coreia, estava atrás da mesma coisa. E ele não estava sozinho. Haviam ainda dois navios poloneses, o Alina e o Sirius, dois outros noruegueses, o Juvel e o Saga Sea, outros dois coreanos, o Kwang Ja Ho e o Insung Ho, mais dois chineses, o Fu Rong Hai e o Lian Xing Hai, e o chileno Betanzos, todos atrás do krill antártico (Euphausia superba). Eles são todos licenciados de 01 de dezembro de 2012 a 30 de novembro de 2013, para uma parte ou a totalidade das regiões 48,1-48,4, basicamente, todo o Oceano Atlântico Sul, 50 graus Sul, excluindo o Mar de Weddell.

Durante os anos 1970 e início dos anos 1980, os primeiro navios de pesca de krill eram dominados pela União Soviética, pela Europa Oriental e pelo Japão. Com a queda do comunismo, as capturas diminuíram de um máximo de 500.000 toneladas para 100.000 toneladas por ano, principalmente as capturas do Japão. Em 2004, o Japão retirou-se, mas a Coréia, a Noruega e a China entraram em cena, e as capturas subiram novamente para 210 mil toneladas em 2009/10, 178.000 toneladas em 2010/11 e 157.000 toneladas em 2011/12. A Noruega capturou 101 mil toneladas do total da última temporada, a maioria para a Aker BioMarine.

“Esta nova aquisição demonstra que estamos na pesca de krill por longo prazo”, disse a Aker BioMarine quando comprou o navio Antartic Sea, em outubro de 2011. Ela começou a ‘colheita’ em junho de 2012. Logo depois, recebeu a certificação da Marine Stewardship Council (MSC), assim como o navio Sea Saga, e a empresa foi abraçada pela WWF Noruega. Segundo a MSC, seu rótulo-eco é construído sobre três princípios básicos: a saúde dos recursos, o impacto ambiental da pesca e a rastreabilidade.

O krill processado é usado principalmente para alimentar os peixes de viveiro. A piscicultura tem muitos problemas bem documentados: poluição dos locais de piscicultura, propagação de doenças e parasitas para as populações selvagens, os níveis de contaminantes mais elevados do que os peixes selvagens capturados, fugas de peixes não-nativos, as circunstâncias de vida horríveis dos peixes que se igualam à pior agricultura de fábrica, predadores dos peixes, como focas e leões-marinhos, mortos por serem atraídos para as fazendas de peixes e, especialmente, o desperdício da captura de peixe (e, neste caso, do krill), para alimentar outros peixes, para alimentar as pessoas. Portanto, há um enorme impacto ambiental negativo indireto da pesca do krill. Outra aplicação para o krill é na fabricação de comida de cachorro. Haverá um tempo em que nossos animais de estimação consumirão mais krill que as baleias, como os nossos animais criados em fazendas consomem mais peixes do que tubarões do mundo.

Então, como pode uma pesca cuja essência é farinha e óleo de peixe, uma pesca para alimento para o gado, criação de peixes e produção de ração, merecer um rótulo ecológico? Mesmo que ela esteja tecnicamente abaixo das diretrizes da MSC, não há algo moralmente errado com isso? Não há nenhuma necessidade para a pesca de krill, e não há demanda direta, mas, como em outras indústrias de produtos de consumo, as pescas são iniciadas em primeiro lugar e, em seguida, a demanda é criada. O próprio site qrill.com da Aker BioMarine fala de “usos ainda a serem desenvolvidos”. Uma nova forma para os caçadores do mundo comercializarem os seus produtos está na forma de cápsulas: a cartilagem de tubarão fica disponível porque a remoção das barbatanas de tubarão é proibida e as carcaças têm que ser desembarcadas inteiras, os ácidos graxos ômega 3 das focas canadenses e das focas da Namíbia mortas com bastões precisam manter esta prática desprezada viável, e agora o krill tem de ser empurrado goela abaixo aos humanos. Comprimidos de óleo de krill são anunciados como “ricos em ômega 3 e teor de antioxidantes” e “livre de toxinas e metal direto das águas antárticas puras e livres de mercúrio”. Estes produtos encontram mercado nos obcecados por saúde, consumidores em massa de pílulas que teriam mais saúde com refeições saudáveis ​​(à base de plantas) e um pouco de exercício.

Navio-fábrica de pesca e processamento de krill da BioMarine. Foto: Erwin Vermeulen / Sea Shepherd

Como o Pew Environment Group comentou em 2010: como você pode certificar um único operador ou alguns navios se você quiser garantir a “sustentabilidade” de uma pescaria inteira? “Se alguns navios estão agindo de forma responsável, mas a grande maioria não está, a população-alvo ainda pode estar em risco de uma sobrepesca”. A Aker BioMarine orgulha-se de uma política de não-captura acessória, mas alguns cientistas estão profundamente preocupados com as capturas acessórias de larvas de peixe. Os dados existentes sobre a abundância de krill, estratégias reprodutivas, história de vida e variáveis ​​populacionais são escassos. Nenhum regime de gestão ou esquema de certificação ecológica pode capturar essas incertezas e indeterminações adequadamente em seus modelos para a afirmação dos instrumentos de gestão da sustentabilidade, e são construídos sobre uma base instável. O impacto da mudança ambiental a longo prazo também é difícil de incorporar nestes modelos. A indústria pesqueira crescente de krill está aumentando a pressão das mudanças ambientais, que já estão ameaçando o krill. A mudança climática forçada pelos humanos é a mais proeminente. As larvas de krill se alimentam de micro-algas que vivem no fundo do gelo do mar, onde uma pequena camada de água de fusão forma uma creche. O krill adulto vai hibernar lá também. A cobertura de gelo do mar de inverno está diminuindo rapidamente em torno da Península Antártica, que tem o mais rápido aumento das temperaturas do planeta, 2,5ºC nos últimos 50 anos.

A incapacidade reprodutiva de krill como resultado da diminuição do gelo marinho é um risco real e afetará a reprodução de aves e focas. Alguns destes efeitos são já visíveis. De acordo com uma estimativa de 2004, com base em dados relativos a 40 verões antárticos, a quantidade de krill no Oceano Antártico pode ter reduzido 80% desde 1970. Isso faz com que as avaliações da MSC seja questionável, para dizer o mínimo.

A área onde foram encontrados os navios de pesca de krill fica incrivelmente perto da Península Antártica e das ilhas Shetland do Sul, que são pontilhadas com colônias de pingüins e focas. Isso dá uma sobreposição completa entre a pesca e os intervalos de busca de presas dos predadores terrestres, como os pinguins (Gentoo, barbudo, de Adélia e macaroni), que não podem se mover para outros locais. Mesmo que ainda exista abundância de krill em volta, os predadores e os navios de pesca irão concentrar-se em maiores densidades e, portanto, competir diretamente. As águas circundantes são cruzadas por sete espécies de baleias. Os blocos de gelo nestas águas funcionam como locais de repouso para focas. Todos esses animais dependem direta ou indiretamente do krill como sua fonte de alimento. As focas e os lobos-marinhos foram capazes de se recuperar da quase extinção, quando as águas da Antártida ficaram sem krill durante a época baleeira (início dos anos 1900 até os anos 1980). A competição acabou, mais comida tornou-se disponível para eles, mas um declínio a população de krill acabará por atingir todos os animais na Antártida, mesmo as aves e peixes voadores, e vai impedir que a população das grandes baleias retome os números antes da exploração.

O krill é conhecido como o maior recurso marinho comercial restante subutilizado, porque o conjunto do contingente global ainda não é atingido, mas a expansão da pesca parece inevitável. A pesca foi colocada em xeque pela distância e pela falta de hospitalidade das águas da Antártida, o fato de que o krill é altamente perecível, uma vez morto, e que o interesse do consumidor era limitado. A demanda da aquicultura de alimentação está em ascensão no entanto, as técnicas de processamento têm lidado com a deterioração rápida e novos produtos estão sendo desenvolvidos. A pesca de krill é a continuação de uma tendência na história da pesca. Nós pescamos mais e mais longe de casa e nós pescamos mais e mais abaixo da cadeia alimentar. Você não pode chegar muito mais longe, como na Antártida, e você não pode ficar muito mais abaixo na cadeia alimentar que o krill. Estamos chegando ao fim.

Ao longo de sua história, a pesca provou que o que pode ser pescado vai ser pescado até o fim. Eles têm se mostrado incapazes de se auto-regulamentar, restringir, além da falta de senso e  decência comum. Eles e seus apoiadores políticos sempre evitaram e ignoraram advertências ou recomendações científicas e recusaram as evidências de suas práticas destrutivas. Eles sempre foram conduzidos por um único impulso: a ganância insaciável.

Não há razão para esperar que o destino do krill seja diferente. Assim como outras pescarias em todo o mundo estão sobre exploradas e os lucros diminuem, mais empresas e nações vão procurar novos recursos ‘virgens’ para capturar, e um dia também a quota definida para o krill será atingida. Com mais investimentos, haverá apostas mais altas e a pressão política vai levar ao aumento da quota de pesca e a abertura de novas áreas. As chamadas organizações de conservação vão se tornar industriais, os políticos controlados e as pescarias vão permanecer com os olhos bem fechados para o desastre, como sempre fizeram.

Ainda há tempo de acertar a chance perdida no Tratado da Antártida. Onde o continente está agora seguro de exploração de minerais ou de uso militar, os mares que o rodeiam também devem ser protegidos de toda a exploração. A região CCAMLR deve ser transformada em uma reserva marinha de captura zero.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

All Contents Copyright © 2017 Sea Shepherd Conservation Society.

produzido por GPS Digital
EnglishFrançaisDeutschPortuguêsEspañol