Home » Editorial

Dez perguntas respondidas pelo Capitão Paul Watson

27 fevereiro 2013
A Sea Shepherd Austrália selecionou dez perguntas de pessoas de todo o mundo para o fundador da Sea Shepherd, Paul Watson. Estas são suas respostas. Entrevista com o Capitão Paul Watson

Guarda costeira japonesa explode granada no convés do navio-tanque de combustível, Sun Laurel. Foto: Sea Shepherd Austrália

Pergunta 1: Qual é a sua posição com os navios e campanhas este ano? Capitão Paul Watson: Eu estou a bordo do Steve Irwin, como observador. Aos baleeiros japoneses foi concedida uma liminar pelo Nono Tribunal Distrital dos EUA em 17 de dezembro de 2012. Como resultado, a Sea Shepherd EUA se retirou da Operação Tolerância Zero e eu me demiti do Conselho de Sea Shepherd EUA e da Sea Shepherd Austrália. Eu também renunciei a minha posição como diretor executivo da Sea Shepherd EUA e agora estou a bordo estritamente como um observador voluntário não remunerado. Não estou tomando decisões, dirigindo, ou até mesmo aconselhando sobre a Operação Tolerância Zero. Pergunta 2: Quem toma as decisões? Capitão Paul Watson: A campanha está sendo conduzida e dirigida pelos Diretores da Sea Shepherd Austrália, Bob Brown e Jeff Hansen, e os três capitães do Bob Barker, Sam Simon e Steve Irwin. Pergunta 3: O Nono Tribunal Distrital dos EUA tem chamado a Sea Shepherd de piratas. Como você responde a isso? Capitão Paul Watson: Obviamente, eles têm a sua opinião. E essa é uma opinião totalmente desprovida de provas reais. Está em contraste com o parecer anterior do altamente respeitado juiz de Seattle, Richard Jones, assim não é, certamente, uma diferença de opinião. Bobby Kennedy é um advogado e ele não concorda com a emissão de um mandado contra a Sea Shepherd EUA. Somos chamados por muitos nomes, mas a verdadeira questão é se a Sea Shepherd está infringindo a lei. O fato é que a Sea Shepherd EUA cumpriu integralmente a liminar e o Nono Tribunal Distrital não tem jurisdição sobre os australianos e outros cidadãos não-americanos em navios de bandeiras australiana e holandesa que operam fora da Austrália e da Nova Zelândia, em águas internacionais australianas. Isto está simplesmente fora da jurisdição do Tribunal do Nono Circuito. Eles têm jurisdição sobre mim, como um cidadão dos EUA, mas não estou violando a restrição de 500 metros e não estou fisicamente participando na oposição às atividades baleeiras ilegais japonesas. Pergunta 4: Os navios da Sea Shepherd sofreram graves danos durante a última semana em confrontos com o navio-fábrica japonês Nisshin Maru. Você está preocupado que o capitão Tomoyuki Ogawa e os baleeiros japoneses vão afundar seus barcos? Capitão Paul Watson: Estamos muito preocupados. Eles destruíram o navio Ady Gil em 2010 e não sofreram sequer uma repreensão. O governo japonês apoia os ataques violentos contra os navios da Sea Shepherd, que põem em perigo as vidas de nossa equipe. É melhor, porém, que os navios sustentem o dano do que as baleias morram. Como o capitão John Paul Jones, fundador da Marinha dos Estados Unidos, disse uma vez, "Dê-me um navio justo que eu possa seguir seu caminho em perigo". Esse é o sentimento dos capitães da Sea Shepherd. Pergunta 5: Salvando a vida das baleias vale a pena arriscar a vida humana? Capitão Paul Watson: A Sea Shepherd tem grandes precauções para garantir que ninguém seja ferido, e em 35 anos de campanha, a Sea Shepherd não foi responsável por uma única lesão. Nós não usamos armas de fogo. Os baleeiros usam. Temos jogado manteiga podre no deck. Os baleeiros lançam granadas flashbangs na tripulação da Sea Shepherd e os atinge com canhões de água de alta potência e lanças. A Sea Shepherd não feriu, nem pretendem ferir os baleeiros japoneses. Os baleeiros japoneses, por outro lado, feriram os tripulantes da Sea Shepherd. São tripulantes da Sea Shepherd arriscando suas vidas pelas baleias? Eles optam por assumir esses riscos e sinto que é tão nobre, se não mais, e justifica arriscar suas vidas para a proteção do Santuário de Baleias da Antártica, como as pessoas arriscam suas vidas pelo setor imobiliário, por religião e lucros corporativos. Pergunta 6: Seus críticos chamam vocês de criminosos, piratas, militantes e extremistas. Como você responde a essas acusações? Capitão Paul Watson: A Sea Shepherd não é uma organização de protesto. A Sea Shepherd é uma organização intervencionista. Nós intervimos contra atividades ilegais. Nós intervimos para defender a lei de conservação internacional, de acordo com os princípios estabelecidos pela Carta Mundial das Nações Unidas para a Natureza, que permite a intervenção de organizações não-governamentais para acabar com os crimes contra a natureza e o meio ambiente. Os baleeiros japoneses estão mirando baleias fin e minke ameaçadas de extinção e as baleias jubartes protegidas no Santuário de Baleias do Oceano Austral, internacionalmente estabelecido, em violação de uma moratória global à caça comercial. Eles estão desprezando uma decisão do Tribunal Federal da Austrália, que proíbe a matança de baleias no Santuário de Baleias Australiano. Eles estão violando o Tratado da Antártida, transportando óleo combustível pesado abaixo de sessenta graus ao sul. Eles estão violando o Ato de Proteção do Ambiente e Conservação da Biodiversidade (EPBC Act, em inglês). Pergunta 7: Por que a Sea Shepherd toma essas ações particulares? Deve haver outras maneiras de se opor ao programa baleeiro japonês. Capitão Paul Watson: A diplomacia falhou. Os japoneses estão ilegalmente matando baleias desde 1987. Nada os deteve. A Greenpeace não conseguiu detê-los. Em 1999, o governo de Howard promulgou o Ato de Proteção do Ambiente e Conservação da Biodiversidade, que declarou um "Santuário de Baleias Australiano" proibindo toda a caça às baleias no santuário no mar da Austrália, incluindo as águas ao largo do Território Antártico Australiano no Oceano Antártico. O ato é aplicado não apenas aos australianos, mas para todas as outras nações, incluindo o Japão. O Japão ignorou a lei e foi encontrado por tê-la violado, e em uma decisão do Tribunal da Austrália de 2008 o Japão foi obrigado a deixar a caça nas águas do Território Antártico Australiano. A Austrália não tem tomado medidas para defender esta decisão. A Sea Shepherd Austrália optou por fazê-lo em nome de todos os australianos. Pergunta 8: Por que os voluntários da Sea Shepherd são tão apaixonados por salvar as baleias? Capitão Paul Watson: Eu poderia responder a essa pergunta com outra pergunta: Por que as pessoas não são apaixonadas por salvar as baleias? Estes são seres sencientes magníficos, socialmente complexos, altamente inteligentes, e eles são uma parte importante de todos os ecossistemas oceânicos. A caça de baleias não tem lugar no século 21. É uma indústria cruel e inútil. A observação de baleias é uma indústria muito mais lucrativa e, portanto, em termos econômicos, as baleias são mais valiosas vivas do que mortas. Nós vemos a foto maior. Toda a pesca do mundo está seriamente sendo diminuída. Se as baleias, tubarões, tartarugas e aves forem removidas, se as populações de plâncton forem reduzidas mais do que já foram, nossos oceanos simplesmente estagnam e morrem. Nós não podemos viver em qualquer lugar neste planeta sem um oceano de vida saudável. É simples assim. E como não pode qualquer ser humano inteligente ser apaixonado pela sobrevivência da humanidade? "Se os oceanos MORREM, a humanidade morre". Pergunta 9: Será que a Sea Shepherd Austrália retorna ao Oceano Antártico para a próxima temporada de caça? Capitão Paul Watson: Vai ser difícil, porque a Sea Shepherd Austrália não terá os recursos financeiros da Sea Shepherd EUA para financiar uma campanha em defesa das baleias na Antártida. A Sea Shepherd Austrália no entanto está confiante de que os fundos podem ser criados na Austrália pelos australianos. A Sea Shepherd Holanda também pode apoiar a operação com os dois navios holandeses de propriedade holandesa. Os navios serão reparados e  vão voltar para o Oceano Antártico se a frota baleeira japonesa retornar no final deste ano ou em janeiro de 2014. A Sea Shepherd Austrália está empenhada em defender a integridade do Santuário de Baleias da Antártica, e as vidas de baleias ameaçadas de extinção e protegidas. A Sea Shepherd Austrália está comprometida em manter o Ato australiano de Proteção do Meio Ambiente e Conservação da Biodiversidade. As tripulações da Sea Shepherd têm sido extremamente bem sucedidas em impedir a matança de milhares de baleias. A Sea Shepherd Austrália encara estas baleias como sendo de responsabilidade e custódia da Austrália. O Tribunal Federal da Austrália decidiu que caçar baleias no Santuário de Baleias Australiano é proibido. O governo da Austrália está levando o Japão ao tribunal. Se a Austrália prevalecer, a Sea Shepherd Austrália voltará a defender a decisão do Tribunal Internacional de Haia. Pergunta 10: Depois da campanha, onde você vai? Capitão Paul Watson: O Japão exerce uma grande influência política e gasta uma grande quantia de dinheiro para me prender. Por um encargo relacionado com "invasão" e "obstrução do negócio" eles me colocaram na lista vermelha da Interpol. Ninguém jamais foi colocado na lista vermelha por infrações menores, e essas acusações são baseadas exclusivamente nas acusações de Peter Bethune, em troca do recebimento da suspensão de uma pena. Esta é uma lista de serial killers e criminosos de guerra, mas ilustra a política por trás da decisão. Eu nunca fiquei iludido de que a luta contra a indústria baleeira japonesa seria fácil, e eu não estou surpreso. No entanto, posso servir meus clientes, as baleias, golfinhos, tubarões e outras espécies marinhas melhor no mar, e não em uma prisão japonesa, e assim, até os advogados resolverem minha situação jurídica, o lugar mais seguro para mim, é no mar. Atualmente eu sou um homem sem um país, mas mais uma vez eu sou um homem que está livre sobre o oceano. Mais importante, eu tenho a satisfação de ter ajudado a salvar milhares de baleias e isso, por si só, vale a pena os ensaios e atribulações.

Vapor sai da chaminé do Steve Irwin enquanto o Nisshin Maru tenta inundar o motor do Steve Irwin usando canhões altamente pressurizados de água. Foto: Sea Shepherd Austrália / Tim Watters

Nisshin Maru bate o Bob Barker contra o Sun Laurel, imprensando o navio da Sea Shepherd entre si e o tanque de combustível da frota baleeira. Foto: Sea Shepherd Austrália / Tim Watters

O Nisshin Maru dispara canhões de água no Steve Irwin para inundar os motores. Foto: Sea Shepherd Austrália / Tim Watters

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

All Contents Copyright © 2012 Sea Shepherd Conservation Society.

produzido por dEx