Home » Notícias

Biólogo inglês, Godfrey Merlen, fala sobre caça de baleia “cultural” e “científica”

9 agosto 2013

Dr. Godfrey Merlen. Foto: Sea Shepherd

O biólogo inglês, Dr. Godfrey Merlen, viveu nas Ilhas Galápagos por mais de 40 anos. O que levou Merlen para as ilhas foi que, ao contrário de outros lugares do mundo, ainda era possível ver e sentir os padrões da natureza de sustentabilidade nestes ecossistemas únicos. Merlen atua de forma independente com o Ministério da Agricultura (AGROCALIDAD-Sicgal), o Ministério do Meio Ambiente (Parque Nacional de Galápagos), a Fundação Charles Darwin, e várias ONGs, incluindo a Sea Shepherd Galápagos, para lutar contra a pesca ilegal, proteger a Reserva Marinha e controlar o desenvolvimento insustentável.

Em 1991, Merlen estava profundamente envolvido na criação do Santuário de Baleias de Galápagos. Durante dez anos, ele trabalhou com o Parque Nacional de Galápagos em defesa da Reserva Marinha de Galápagos. Ele agora trabalha com espécies não-nativas, que apresentam o maior risco para a Galápagos. Merlen tem publicado extensamente sobre questões relacionadas com as ilhas, e produziu três livros sobre a fauna de Galápagos.

Merlen faz parte do Conselho da Sea Shepherd desde 2005. Ele se lembra de como se sentiu quando ele foi convidado para ser membro do Conselho da Sea Shepherd: “Fiquei muito feliz e disposto a aceitar essa posição entre as pessoas que são verdadeiramente dedicadas a preservar a vida na Terra.”

Décadas de encontro de Merlen com as baleias, especialmente a cachalote, o convenceu do valor infinito dos oceanos, sem o qual será, como já foi dito, “morrer de uma grande solidão de espírito”. Semelhante a outros membros da comunidade científica, Merlen sente que não é necessário matar baleias a fim de estudá-las. Ele acredita que a palavra “ciência” é usada como um disfarce para a continuidade da caça de baleia ao longo do tempo, para que a quota possa aumentar e possa retomar a caça comercial.

Merlen argumenta a diferença entre a caça com fins culturais e científicos. Embora o Japão afirme que sua caça científica deve ser permitida devido aos direitos culturais, os fatos contam uma história diferente. Merlen assinala que “a caça cultural é realizada por razões culturais, por pequenas comunidades locais, enquanto a caça comercial envolve a viagem de navios comerciais à base pelágica que os baleeiros são conhecidos por caçar baleias”. A caça cultural é permitida pela Comissão Internacional da Baleia e resulta na morte de cerca de 370 baleias por ano. A caça científica estabelece uma quota de 1.030 baleias por ano – três vezes mais do que a caça cultural – e é conduzida por um dos países mais poderosos do mundo.

Merlen acredita que não se deve focar em saber se a caça é para fins científicos ou não, mas sim, se o Japão, ou qualquer país, deve praticar a caça. Ele explica: “Não importa se estamos falando de caça científica ou comercial… a ecologia dos oceanos está sendo perturbada pela esquerda, pela direita, e pelo centro. Precisamos deixar todos os elementos no oceano, para que ele possa recuperar sua força e beleza”.

All Contents Copyright © 2017 Sea Shepherd Conservation Society.

produzido por GPS Digital
EnglishFrançaisDeutschPortuguêsEspañol